acompanhe nas redes

  • dezembro 30, 2017

    Diario #6: Reflexões de um ano de crescimento

    O ano sequer acabou e já estamos todos em clima de reflexão. As esperanças voltam a nos rodear e a vontade de fazer e acontecer por um futuro melhor é cada dia mais forte nessa época. Confesso que adoro essa energia toda de generosidade, gratidão e compaixão que nos rodeia sempre em meados de dezembro.
    reprodução/tumblr

    Dois mil e dezessete não foi, nem de longe, um ano fácil pra mim. Mas pelo tanto que li, não foi um ciclo fácil para ninguém, não é mesmo? Impressionante como 365 dias parecem passar tão rápido e ao mesmo tempo demoram tanto. Não consigo lembrar de muitas coisas de seus primeiros meses, salvo os relatos aqui do blog e alguns rabiscos do meu diário, contudo tenho a certeza de que a indecisão e o medo me acompanharam por um longo período e ousaria dizer que ainda vão seguir nesse próximo período.

    Lembro-me de terminar o ano passado, assim como este, com um sentimento de gratidão pelos tamanhos aprendizados e também com uma melancolia enorme. Muitas dúvidas e muitos sonhos, que pra falar a verdade aparentam ser muito mais bonitos no papel.

    Reconheço que não me esforcei o tanto que poderia para manter o que eu queria e o que era importante pra mim como uma meta. Não fui disciplinada o suficiente pra estabelecer uma rotina na qual eu pudesse me divertir e aproveitar cada momento. Tiveram inúmeros dias em que contei as horas para o expediente acabar para que assim eu pudesse ir logo para casa, tomar meu banho e ficar deitada a espera do dia seguinte.

    Perdi a esperança em um dado momento, perdi a confiança em mim mesma e sinceramente, isso é algo que é trabalhoso de se reconquistar e reerguer. Mas além de tudo isso, ou talvez por isso tudo, eu aprendi muito sobre mim mesma.

    A terapia me ajuda muito, todo dia. Aprendi a dizer sim, a aproveitar oportunidades, a me permitir momentos de felicidade, tristeza e descanso. A me cobrar menos por tantos resultados, a viver no meu tempo, a criar expectativas apenas em mim e me colocar em primeiro lugar. Me permitir acertar, me permitir errar. E aos poucos vou me reerguendo.

    Agora, fico pensando... Ao mesmo passo que quero que 2017 acabe logo, quero que ele demore bastante pra eu poder aproveitar cada minutinho aprendendo um pouco mais. Não quero carregar mil expectativas para dois mil e dezoito pois hoje eu tenho a consciência de que eu sou capaz e se eu quiser eu consigo conquistar tudo o que eu quiser, só preciso de trabalho. Quero me tornar mais leve, deixar as coisas mais leves; quero poder me permitir sair da minha zona de conforto pra realizar meus sonhos e ser mais feliz com minhas escolhas. Me colocar em primeiro lugar é a única meta para 2018.

    E vocês? Como foi o ano de vocês? Quais metas vocês já tem em mente para 2018? ♥

    0 comentários:

    Deixe um comentário