acompanhe nas redes

  • dezembro 01, 2017

    Diário #5: Aprendizados

    Minha mãe diz que cada um que passa na nossa vida tem uma missão. Acredito muito nisso! Cada um fica com a gente o tempo necessário pra gente aprender alguma coisa e quando o universo acha que já deu a gente vai se afastando, perdendo o contato... Daí ficam as fotos, as memórias do facebook, os vídeos engraçados, as conversas e os áudios do whatsapp e as lembranças da nossa caixinha interna pra não fazer a gente esquecer nunca que aquela pessoa foi importante e que sem ela a gente não é o que é hoje.

    imagem: tumblr
    Gosto de pensar assim tanto para as pessoas que se vão, como para as oportunidades que aparecem, como para os ciclos que frequentemente se iniciam ou encerram. Acredito muito em destino. A gente vive o que já está programado para a gente viver e ponto. E, como num episódio de Black Mirror, as vezes algumas amizades têm time certo pra durar. Umas podem duram lindos seis anos, outras longos e felizes doze, e ainda tem aquelas que permanecem e nos acompanham no decorrer da vida. Mesmo com isso tudo, todo dia é uma oportunidade de se tornar amigo de alguém. Isso que é maravilhoso!

    Um dia, fiz uma carta para uma ex melhor amiga que foi muito importante pra mim. Tem muitas outras pessoas que quero escrever uma carta dessas, claro. Porém não é sempre que estamos com tanto sentimento a flor da pele para escrever sobre alguém querido.

    Nós não lidamos bem com partidas. A gente sabe, desde o princípio, que estamos sujeitos a isso a todo o tempo e mesmo assim nunca sabemos lidar. Não estou me referindo exatamente ao óbito de alguém, mas sim dos ciclos que se encerram dia após dia. Das amizades que vão se tornando estranhas, dos relacionamentos que vão esfriando feito café... Enfim.

    Hoje não é bem uma carta que escrevo... É mais para um desabafo em forma de agradecimento por todas as estrelas que já passaram pela minha vida. Tenho plena consciência de que cada um que eu convivi ao longo desses meus 21 anos foram importantes para o meu aprendizado, amadurecimento e crescimento de um modo geral. Da minha querida professora Izabel que me ensinou a ler e escrever ao motorista do ônibus que me dá bom dia sempre sorridente às 06 da manhã.

    Obrigada, universo, por cada um. Obrigada por me ensinar a valorizar as relações interpessoais. Somos seres egoístas e ansiosos, queremos tudo para a última hora e se possível, chamando atenção de todos. Então, obrigada por me ensinar a conviver com diferentes pessoas, por me fazer entender que a gente é diferente e que empatia é a chave que faz isso tudo dar certo.

    0 comentários:

    Deixe um comentário